sábado, 26 de novembro de 2016

domingo, 14 de agosto de 2016

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

REZA DA NOBRE DEUSA TARA Pelo Mestre Indiano Candragomin

REZA DA NOBRE DEUSA TARA


REZA DA NOBRE DEUSA TARA

Pelo Mestre Indiano

Candragomin
Sétimo Século D.C.

Homenagem para a Deusa TARA!

1.A escuridão do Samsãra, difícil de repelir,
Você supera como a luz do sol.
Para Você com mente úmida de compaixão,
TARA, eu sempre me curvo.

2 Por Você, Deusa dotada de mente aguçada, bravos leões, que podem matar grandes elefantes,
ficam assustados e correm para fora da visão.

3. Com a ponta dos dentes o elefante pode dividir as pedras ou pode desarraigar as árvores;
Mas quando Seu mantra é recitado,
O elefante corre para fora, amedrontado.

4 Difícil de agüentar, enchendo todo o espaço
e quarteirões, incontrolável incêndio queima tudo com suas chamas; mas a chuva de Sua Prece apaga o fogo.

5 Emitindo assobio, que surge
de seu inteiro capuz, venenosa,
Uma cobra é amedrontada por Sua Prece,
Ó Deusa, como pelo poder de um garuda.

6 Eles podem golpear os viajantes com suas espadas e deixar seus membros manchados de sangue; mas só porque eles ouvem Seu Nome os ladrões ficarão impotentes.

7 Quando agarrado pelos cabelos e jogado na prisão pelos soldados do rei enfurecido,
Aquele que A elogia, Ó Deusa
Que salva da prisão, não terá nenhum medo.

8 Quando massas de ondas vêm para cima das dez direções e até mesmo do céu,
Seu criado, no oceano depois do
naufrágio, alcança a praia do outro lado.

9 Cobertos de um lodo de sangue e crâneos,
Os qual eles estão ávidos de devorar,
Os Pisacas, Ó Deusa, ficam assustados
pela recitação de Seu mantra.

10. Leprosos com membros rasgados, narizes gotejantes de sangue, fedendo com os corpos gotejantes,
Apenas se reunindo a Você
se tornam [belos] como deuses do Reino do Desejo.

11. Mendigos que se assemelham a fantasmas famintos,
nus, torturados de fome e de sede,
Só se curvando a Você
são transformados em imperadores.

12. Pela virtude acumulei
por elogiá-la assim, Ó Pureza,
Libertadora dos Grandes Medos,
Possa ser conseguida a felicidade mundial!

O elogio da Deusa TARA por Mestre Candragomin está completo.
É dito que com [este] Elogio, o Mestre fez uma imagem de madeira de TARA aumentar o seu dedo indicador dela. Quando ele Lhe perguntou: "Por que Você faz isso?", Ela respondeu, "Este elogio seu é bem falado." Ela era conhecida como a "TARA do Dedo Indicador Elevado".


Traduzido do Tibetano [por Martin Willson].
[Trad. Rogel Samuel].

sábado, 6 de agosto de 2016

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

MARICHI


Marichi 
(Tibetano: o zer chen ma, Português: A que tem raios de luz), é a Deusa da Aurora. 
De aparência pacífica, tem cor amarela, com três faces e oito mãos. Sentada sobre uma grande porca mãe. Quando aparece em pé, a sua perna esquerda descansa sobre as costas de vários porquinhos dormindo. O círculo da cor do sol do amanhecer aparece envolvendo-A por trás, e Ela é coroada pelo cimo de uma estupa. 
“Ela que domina a noite, 
e de quem basta lembrar-se para rapidamente estarmos protegidos de todos os medos, 
e que concede a pureza da grande bênção, 
para a deusa Marici eu me prosterno” 
( Estrofe Litúgica Sakya) Texto de Jeff Watt,  4-2000 

MARICHI - Ödzer Chenma Retreat Over New Year’s At Dzamling Gar with Chögyal Namkhai Norbu



Ödzer Chenma Retreat Over New Year’s At Dzamling Gar with Chögyal Namkhai Norbu



Ödzer Chenma Retreat Over New Year’s At Dzamling Gar with Chögyal Namkhai Norbu
December 28, 2015 – January 1, 2016
Rinpoche walks to the Gonpa for the Teachings
Rinpoche walks to the Gonpa for the Teachings
by Julia Lawless
The retreat over the New Year’s was dedicated to the practice of Ödzer Chenma, a female deity connected with the rays of the sun. And as if to help with our visualization and to help our practice, throughout the whole retreat the sun shone clearly every day and the sky remained a clear azure blue.
This deity of light has the power (siddhi) to dispel all darkness: the dark veil of ignorance, confusion, fear and obstacles, which we experience in our everyday life. She is depicted with the sun behind her figure, representing infinite rays, which eliminate all negative karma. So instantly, through this light, all negativity is eliminated. We need to have this understanding when we recite her mantra. Thus for several days, Rinpoche explained the principles and the value of this practice both for realization and for helping overcome our problems in daily life.
Buddha explained this secondary practice in the Sutra teachings by, but it is also explained in the Vajrayana teachings as a method for attaining complete realization. Ödzer Chenma is also useful for our relative life and for overcoming problems in our daily life. It is therefore very important having both relative and ultimate benefits. She is similar to Green Tara in that she has a particularly active quality of wisdom, especially if we have the need to obtain something quickly. For example, if we can’t get a job although we have tried our best, her practice can help to make this happen. Her practice is also very good for achieving wealth and during travel as protection.
As Rinpoche says:
“If there is any kind of desire or wish that you need to attain then do Ödzer Chenma practice and you can obtain it! But you don’t need to tell Ödzer Chenma a your specific problem as she already knows…”
It is best to do her practice in the early morning when it has more effect, just as the sun is rising. But this does not mean you have to always do it in early morning … you can also do it later if you wish. We can do her practice in several forms: in the Sutra style, or in the Lower Tantra style by using many invocations to wisdom of Ödzer Chenma– like Green Tara – while visualizing her in front of us. We can also do her practice in Anuyoga style or simply as Ati Guruyoga directly. Her seed syllable is ‘MUM’ so although we generally we sound ‘A’ as Guruyoga, here we can use MUM as Guruyoga instead. In this way we spread white light from the MUM at our heart to invite the wisdom of Ödzer Chenma imagining ourselves to be radiating infinite light, and then continuing with trondu. Whilst during this we recite her simple invocation just 7 or 21 times. So it is best to memorize her short invocation and mantra so we can do Ödzer Chenma practice anytime and anywhere we need it!